Arquivos da categoria: Histórias em Quadrinhos

O Luka está famoso!

divulgar eh preciso

Que legal! Estamos emocionadas e muito felizes e fazia tempo que queríamos falar da revista por aqui. Quem nos acompanha pelo twitter ficou sabendo o quanto irradiantes estávamos quando a primeira revista só sobre o autismo do Brasil estava em nossas mãos.

luka famoso Estamos felizes devido a divulgação do autismo estar se espalhando pelo Brasil a fora, informação chegando na mão de quem não tem internet, profissionais com um bom material nos consultórios (local onde passa muita gente), enfim, um marco! Outro motivo de estarmos felizes é porque conhecemos algumas pessoas do grupo de criadores dessa revista e somos fãs de todos eles, são pais que lutam pela melhora da qualidade de vida não só dos seus filhos mas de todos que estão autistas e até aqueles nem sabem que estão no espectro e só vão saber quando tiverem informação. São pais que pensam como nós, irmãs metralhas (como o Martim nos chama), que sabem que conviver com um autista é um presente, é ter um mestre em nossas vidas e que não é por acaso que eles estão no nosso caminho. Graças a eles nós ganhamos amizades especiais, começamos a estudar e a melhorar nossa própria vida: alimentação, hábitos, foco, ação!

Waldemar Casagrande, o Zinho, colocou sua gráfica catarinense, a Otomar, à disposição da publicação, Paiva Júnior (@paivajunior) topou ser o editor chefe e Martim Fanucchi, idealizador do projeto fez toda a diagramação da revista. Já elogiamos a revista mas vale registrar de novo: De publicitárias pra publicitário: Martim, desde a capa até a contra capa ficou nota 1000! Todos estão de parabéns!

sonho que vira realidade Todo o processo de produção da revista foi feito com trabalho 100% voluntário, desde os artigos de renomados profissionais da área, até o processo de revisão e distribuição da revista.

A revista teve uma quantidade significativa de exemplares impressos, porém, a demanda foi maior que o dobro do que havia sido feito. Faltou revista. O que demonstra o sucesso do “empreendimento” mesmo antes de que soubesse se o conteúdo era realmente bom. Um retrato da sede por informação sobre o transtorno do espectro do autismo no Brasil.

O site da revista é RevistaAutismo.com.br (hospedado pelo patrocinador Hostnet.com.br) e tem a publicação na íntegra, sem restrições, além de material extra. Colabore com a gente e passe esse link pra frente, você pode ajudar inúmeras pessoas! E é claro que a revista também tem twitter, fique ligado nas novidades de autismo: artigos, cursos, congressos, etc: siga a @revistaautismo

Ficamos muito felizes de termos sido convidadas, através da tirinha do Luka, a aparecer na revista! Estamos a disposição para qualquer coisa! Queremos ver outras revistas pois um projeto como esse merece ter continuação e vai ter!

Autismo e TID em HQ

autismo x surdez

Fazia tempo que o Luka não aparecia por aqui… nós bem que estávamos tentando criar uma Historinha e nada… até que apelamos pra mamãe. Ligamos pra ela, falamos da característica que queríamos divulgar e pedimos pra ela nos ligar quando estivesse com a HQ pronta, rs. E mamãe nos ajudou, dessa vez o roteiro é dela!!!

Resolvemos escrever sobre esse tema porque lemos muitos depoimentos (estamos incluidas nessa questão) de muitos pais de crianças autistas acharem que seus filhos são surdos. Na busca pelo diagnóstico, o autismo pode ser claramente confundido com a surdez já que a criança não responde, não comunica, parece não perceber a presença de pessoas estranhas e não olha nos olhos. Muitos pais fizeram audiometria ou BERA em seus filhos antes de pensar em transtorno invasivo de desenvolvimento. Esperamos ajudar muito gente com essas HQs. Quem tiver alguma idéia, favor nos escrever para karluiza@gmail.com

Autismo e TID em HQ

HQ

Lu tem memória fotográfica e não perdeu nada com a dieta. É impressionante ver ele tocando músicas no teclado que ele viu UMA vezes e repete igualzinho.

Ele mostra a habilidadecom a memória também nas brincadeiras. Seu jogo preferido é o Genius (o gênius de hoje possui 4 tipos de jogos de memória) e o memorinha que é um gênius bem pequeno. Lu é ótimo nesse jogo. Antes de ganhar o gênius de natal eu já ficava impressionada com o ouvido e a memória do moleque e quis testá-lo (uma pena eu não ter filmado, quando peguei a câmera ele não quis mais brincar). Eu peguei o memorinha e coloquei ele de costas pra mim e iniciei o jogo. Fiz ele falar a sequência de cores através do som, sem olhar o brinquedo. A diferença de sons entre uma cor e outra é quase imperceptível. O moleque acertou todas as cores e sequência até eu parar de brincar pra pegar a filmadora.

Ele tem outro jogo de memória, também eletrônico muito difícil de “zerar”. É um retângulo cheio de quadrados e vão acendendo estes quadrados e a medida que eles acendem você tem que apertar em cima. Chega uma hora que você não sabe qual foi pois já tem um monte de quadrados acesos. Lu fecha o jogo numa facilidade e em tempo recorde. É impressionante.

Quando pequeno, mamãe comprou um videogueime e ele fazia a Dal zerar o jogo todo dia. Eram 60 fases e um dia descobrimos que o jogo tinha password e anotamos o da fase 40 pra Dal começar nela e só fazer 20 fases. O moleque ficou uma fera e colocou o password da fase 1 sem ter lido nenhum papel. Aí testamos ele. “Põe na fase 23, Lu” e ele colocou… assim fomos falando números aleatórios até descobrirmos que sem anotar ele sabia 60 passwords diferentes de 5 letras.

Ele sabe celular de todo mundo da família, telefone de todos os colegas, inclusive os que saíram do colégio, e até o da Fernanda, de Londres, com todos os códigos.

Quando bebê ele sabia todos os logotipos. Abríamos vários logos (tipo uns 100) e falávamos “coca-cola” e ele apontava, “colgate” e ele apontava (ele nem sabia falar, muito menos ler).

Outra fase da vida dele, que hoje achamos engraçado lembrar mas na época era um caos, era o fato de termos de falar todas as caminhonetes da rua sendo cor e marca. Eu e Luiza nunca fomos ligadas a carro e sempre nos perdíamos. Quando não falávamos era crise na certa… choro de horas e horas. E o pior é que ele enxergava longe e a gente nem via todas…

Contem as suas histórias pra gente nos comentários e mande dicas de temas para mais HQ’s.

Autismo e TID em HQ

HQ3

Alguns desenhos são de Allonzo e outros das autoras do blog. Criação e adaptação de Karla e Luiza.

Resolvemos postar sobre a rotina das pessoas com autismo pois se você sabe uma regrinha, você pode ajudar muito! Antecipe TUDO o que vai ocorrer de diferente. Se vai haver uma festa avise com uns dias de antecedência que o local terá muitas pessoas, haverá som alto, brincadeiras, balões, etc etc. Se você vai visitar alguém e vai fazer um caminho diferente do comum, avise que irá passar em outro local antes e por isso está mudando o caminho… Quando começamos a fazer isso nossa vida melhorou 100%.

Quando Lu era bem pequeno, mamãe mudou a decoração do quarto dele. Ele ainda não sabia falar e ficou gritando por horas e horas até ela voltar o quarto ao “normal”. Depois disso, mamãe começou a mudar sempre a casa e chamar ele pra dar opinião. Hoje ele já fala “ficou lindo, mamãe”. É um máximo ver essas evoluções né?

Quando ele era pititinho a mamãe tinha que passar por cima de todos os bueiros da rua com o carro ou tínhamos que passar a pé ou ele de velocípede, no passeio… se não passasse, era uma choradeira de horas. Quando ele estava de velocípede se ele não tinha passado do jeito que era o correto pra ele, ele voltava no mesmo bueiro e ficava lá por um bom tempo…

Vale lembrar esse post em que Lu chorou por um tempo porque um poste da rua estava com a luz queimada.

Combinávamos com o Lu de ir brincar com ele as 20h e se chegássemos 20:01 ele já estava chorando e gritando e se chegássemos 19:59 tínhamos que esperar dar as 20h pra entrarmos na casa dele.

Lu vai todos os dias a um shopping que chama Manhattan e todos os sábados ao mercado municipal, virou rotina dele. Um dia mamãe teve que sair no horário do shopping e Lu ficou muito nervoso. Resolvemos pegar um taxi para deixá-lo feliz… o que era pra ser uma boa ação tornou muito difícil porque o taxi não fez o caminho que a mamãe fazia… uma gritaria total dentro de um carro que não era nosso e com um motorista que nem conhecíamos… historias que hoje são engraçadas.

Hoje, Lu já aceita negociações. Se explicamos o motivo de faltar o shopping ele aceita. Ex: “Lu, hoje é aniversário do seu amiguinho, não vai dar tempo de ir ao shopping então amanhã você vai. É legal fazer coisas diferentes, você vai ao shopping todos os dias!” Ele aceita e repete o motivo de não ir ao shopping como se tivesse explicando à ele mesmo o porquê de estar burlando a rotina.

Já passamos muitos apertos por não entender direito essa característica, se fosse escrever todas, esse post iria ficar enoooorme. Temos que ser detetive e tentar pensar como eles para ver o que está incomodando mas quando você antecipa as ações, tudo flui com calma e felicidade.

Autismo e TID em HQ

A segunda aventura de Luka mostra o pensamento concreto das crianças e adolescentes com autismo. É dessa característica que sai a maioria das pérolas do Lu. Devemos tomar bastante cuidado ao nos expressar para que eles compreendam o que estamos dizendo ou ensinando. Frases curtas e palavras fáceis formam a melhor maneira de dialogar com os autistas! Vamos tentar colocar HQ’s toda semana e para isso contamos com vocês. Mande suas idéias ou dúvidas para que possamos criar outras historinhas! karluiza@gmail.com