Inspirados pelo Autismo – parte 2

Após um grande e tenebroso inverno, voltamos com a segunda parte do workshop Inspirados pelo autismo que fizemos! (leia parte 1 antes de ler esse post)

Vamos falar nessa parte sobre o Desenvolvimento Social da pessoa com autismo. É muito importante desenvolvermos esse aspecto com as pessoas com autismo já que ela será uma base bem forte para os outros aprendizados já que a conexão social é peça fundamental para darmos todos os passos!

As habilidades sociais fundamentais são o contato visual (conexão via olhar, deve ser bastante valorizada), atenção compartilhada, ou seja, a pessoa olhar para o que nós ou outras pessoas estão olhando, comunicação (verbal e não verbal), FLEXIBILIDADE (o que mais temos trabalhado com o Lu: aceitar mudanças, esperar a sua vez, brincar de coisas diferentes, falar de assuntos diferentes, dentre outras), mais felicidade / menos ansiedade, habilidades em brincadeiras e habilidades em fazer amizade.

tabela interesses photo sonrisetabela_zpsc95ef4d5.jpg

Aprendemos que devemos sempre ter uma meta menor para irmos avançando para o próximo degrau e encorajando nossos meninos e meninas! Por exemplo nós trabalhamos a flexibilidade de maneira bem lúdica variando comportamentos em nossas brincadeiras. Por exemplo mudando a voz ou sugerindo coisas novas de forma espontânea, sem falar que vamos mudar… Sentimos o momento e tascamos a mudança e se ele reclamar, simplesmente voltamos atrás, sem pedir desculpas… com a cara mais lavada do mundo: Ah é mesmo, é essa voz! Hahahaha! Existem inúmeras formas de fazer isso, é só por a criatividade pra funcionar!

Quanto mais motivado para a interação, mais a pessoa com autista se encherá de coragem para fazer o contato! Então vamos incentivaaaar!!!
De que forma?

 photo SONRISE2_zpsc1bf8938.jpgTemos que ser mais motivadores que brinquedos movidos a pilha! Ahá, o carrinho de controle remoto e o ursinho bate bate perderão feio!

Devemos valorizar nossas expressões agora já que antes eles não conseguiam “ler” e entender o que queriam dizer! Pensem que agora vamos otimizar as oportunidades compensando as que se foram. Vamos soltar a franga! Uhuuuuu

A partir de agora só vale uma perspectiva inspiradora… xô baixo astral e foco no que realmente importa, encorajar a conexão! Vamos nos divertir, vamos elogiar os esforços e respondê-los de forma positiva e presente, aumentando cada vez mais o tempo dessa conexão.

Para aumentarmos a conexão, precisamos conhecer bem a pessoa com autismo… Você pai, mãe ou cuidador e familiar deve pensar: conheço meu filho de cabo a rabo (hahaha nossa mãe que fala isso) mas não é bem assim! Nós nem conhecemos a nós mesmos direito (Quem sou eu? Hahaha Ser ou não ser, eis a questão! Hahaha) e então teremos que ser detetive! Devemos nos colocar no lugar deles, nos divertirmos com o que eles gostam, experimentar o que eles fazem, olhar do ponto de vista deles. E é bem divertido descobrir cada vez mais sobre quem você ama! Ao invés de julgarmos de fora, que tal vivenciarmos? Uma vez em uma palestra escutamos de uma mãe que o sonho dela era passar 24 horas na pele do filho dela… E agora é possível… vamos brincar de ser eles para ajudá-los e nos ajudar a entender muitos porquês que criamos!

 photo SONRISE7_zps9955fc9d.jpg

E aí, conhecendo esse ponto de vista deles (porque o mundo é o mesmo, por favor!) estamos aptas a nos adaptarmos para mostrar pra eles como é legal interagir. Eu gosto do que você gosta, quer conversar comigo? Eu gosto do seu brinquedo, vamos brincar juntos? E aí depois é claro que o terreno estará aberto a coisas novas… “Essa pessoa é confiável, me entende, sabe o que gosto, então ela vai me mostrar outras coisas legais”. Simples não?
Sim, é simples mas exige esforço!!! E para isso devemos sempre estar com o pensamento positivo e acreditando que tudo vai dar certo e tendo certeza de que eles são capazes! Você vai descobrir que seu filho sabe mais coisas do que você pensa!

Para incentivarmos o progresso devemos comemorar bastante os esforços e vitórias dos autistas pois através dessa comemoração criamos um ciclo: esforço/vitória – COMEMORAÇÃO – iniciativa social espontânea.

 photo SONRISE5_zps54d8e462.jpg

Quando somos elogiados, quando percebem nossos esforços, quando somos estimulados, nos sentimos corajosos pra seguir em frente. As comemorações tornam a interação mais divertida (pra nós também) e fornecem estímulos para a pessoa dar continuidade no processo. Fique atenta para não ignorar os esforços pois não podemos esquecer deles ao adquirirmos mais habilidades. Por exemplo: quando já tivermos adquirido o olhar e estivermos trabalhando a fala, elogie também a conexão com os olhos! Faça isso de forma natural… “que olhos lindos” ou “adoro quando você olha”!
Comemorar o esforço é tão ou até mais importante que comemorar a vitória pois é isso que deixa a pessoa a vontade para tentar sempre. Mas devemos deixar bem claro sempre o que está sendo comemorado.

Se por exemplo a criança tentou falar a palavra que está sendo trabalhada mas não a pronunciou de maneira correta, comemore mas deixe claro que ela pode falar o certo! Você falou uuuuu para pUUUlar! E vão repetindo a ação até ver que é o momento certo para variar… trabalhar o A de pulAAAr e assim por diante.

Devemos ser bem entusiasmados com as nossas comemorações portanto a dica é: se divirta realmente com o que está fazendo! Acredite e faça com entusiasmo. Comemore com todo o corpo, face, voz!

 photo SONRISE8_zps24b4baa1.jpg

O mais legal é realmente nos atentarmos para tudo de bom no nosso dia a dia. Vivermos o presente, agradecermos mentalmente as coisas e praticarmos esse pensamento de comemoração ao longo das atividades diárias. É um exercício com a gente mesmo e devemos praticá-lo com todas as pessoas, não só com autistas. Fazendo isso, não se torna mecânica a forma de buscar o que devemos comemorar… você vai enxergar e se encantar e quando ver, estará comemorando tudo com entusiasmo!

Quer ver como não somos acostumados a elogiar ou receber elogios? Quando uma pessoa nos elogia, ficamos sem graça. Quando elogiam nossa roupa, nosso carro, já vamos logo nos justificando que é uma roupa tão antiga ou um carro legal mas que foi duro comprar. Quando elogiam nosso trabalho nós mesmos ficamos sem reação, não sabemos se agradecemos, se falamos das dificuldades, etc. Temos facilidade de reclamar das coisas mas não vemos que estamos reclamando até mesmo de coisas que são legais… como por exemplo reclamar de um filho que fala demais sobre um mesmo assunto enquanto que tem mães que dariam tudo pra ouvir a voz de seu filho… ou reclamarmos que os filhos enfileiram objetos enquanto que na cabeça dele ele pode estar fazendo um milhão de descobertas que você nem imagina porque está focada no ato dele enfileirar.

 photo SONRISE9_zps77294430.jpg

Para auxiliar na interação das pessoas com autismo, o programa Inspirados pelo autismo sugere um estilo RESPONSIVO de interação e não o estilo que costumamos fazer no dia a dia que é chamado de estilo diretivo.

O estilo diretivo, a título de exemplificação é esse que usamos quando damos ordens, comandos e impomos o que pensamos sem considerar o que a criança entendeu, gosta ou acha a respeito da nossa interação. Frases como “Coloca esse sapato agora” ou “Não sobe no sofá” ou “Vamos por esse caminho e ponto final” são frases dentre muitas que já ouvimos e que dizemos que ignoram as comunicações da criança ou adulto e impõem um aprendizado “robótico”. Fazemos por medo ou ignoramos ou damos birra e somos forçados e as vezes até de forma invasiva (à força, com gritos, ameaças). Esse tipo de interação amedronta nossos meninos que querem cada vez mais se isolar por se sentirem incompreendidos.

“O estilo responsivo de interação tem como princípio responder aos sinais e comunicações da criança para atender aos seus interesses e necessidades. Respondendo de forma imediata, positiva e intensa à maior parte das tentativas de comunicação da criança, demonstramos a função e o poder de sua comunicação, e a estimulamos a querer se comunicar conosco com maior frequência e qualidade.

 photo SONRISE10_zpse80d8287.jpg

 photo SONRISE14_zpsf66018c3.jpg

Quanto mais motivada a criança estiver para interagir conosco espontaneamente, maior será o seu envolvimento, participação e aprendizado. Queremos então inspirar a criança a se sentir motivada para interagir, superar suas dificuldades e aprender.”

 photo SONRISE12_zps39fb994c.jpg

Na página do Inspirados pelo Autismo, vocês podem ler um guia com FERRAMENTAS DE ENSINO UTILIZANDO O FOCO DO ESTILO RESPONSIVO (Informações dirigidas aos professores da escola) que é muito interessante e assim todos falam a mesma língua!

E então vocês devem estar se perguntando: como fazer solicitações pras crianças? Eu sempre tenho que esperar partir dela?

Simplesmente o que é o ideal é seguirmos o que a criança gosta, para motivá-la a ter foco na diversão e a partir dessa conexão convidarmos a criança de forma entusiasmada (não um comando). A pessoa com autismo comunica o que quer e você prontamente atende, valoriza o esforço dela em tentar e a encoraja e de acordo com a resposta dela você se ajusta (se ela não conseguiu ainda, tente mais vezes e se ela já conseguiu algumas vezes, ofereça pequenas variações de acordo com as metas estabelecidas!).

Nesse comportamento de responsividade, é importante ficarmos atentos sempre as PAUSAS pois elas que indicam a interação e a resposta “solicitada”.
Exemplo: Criança que adora cócegas. Você faz (oferece de graça), ela ri, faz de novo, ela ri… Você faz isso tudo isso falando por exemplo a palavra “cosquinha” antes da ação oferecida. Você mostrou pra ela que o comando daquela ação é “cosquinha”. Vá fazendo pausas entre as ações e veja se ela espera a próxima (ela olha, faz carinha de ansiedade, põe o corpinho pra frente) e você diz: você olhou pra mim querendo mais!!! E faz… até que depois e um tempo você pode trabalhar a fala! Sem pedir diretamente, você mostrou pra ela que se comunicar é importante, traz vantagens, é eficaz!

 photo SONRISE15_zpsd4f9df62.jpg

Muitos estudos já foram realizados de forma empírica e científica e vamos citar aqui um para vocês verem que essa forma de interação dá muito certo (e no workshop vimos vários vídeos que faziam a gente se emocionar com os resultados).
Em 2002, um estudo feito na UCLA, 25 crianças com autismo foram observadas e as mães se interagiam com elas, cada uma com sua interação maternal natural. Após 01 ano de observação: a criança adquire comunicação não verbal de forma significante de acordo as respostas da mãe. Especificamente na sincronização das comunicações não verbais e verbais e verbalizações não diretivas (responsiva).
Após 1, 10 e 16 anos, os ganhos da linguagem dessas crianças foram significantes em relação à verbalização da mãe sincronizada, particularmente aquelas de qualidade não diretivas (Responsivas).*

*Siller, M., & Sigman M. (2002) The behaviors of parents of children with autism predict the subsequent development of their children’s communication. Journal of Autism and Developmental Disorders, 32(2), 77-89.

Para finalizar, uma observação importante: o controle estando nas mãos da criança a mantém segura, sem medo de coisas imprevisíveis e deixa a relação mais firme e a vontade de interagir mais evidente.

A intervenção deve ocorrer apenas em casos de segurança para que a pessoa com autismo não se fira ou coloque outras pessoas ao redor em risco.

As solicitações para a pessoa devem ser feitas de forma divertida, ela sendo indireta (responsiva) ou direta (podem ser feitos convites com empolgação e ao com imposição) e a pausa (não pare com cara de “que chato esperar a reação” e sim com cara de interesse!!!).

Bom, até a próxima!

FONTES:
imagem 1, imagem 2, imagem 3, imagem 4, imagem 5, imagem 6, imagem 7, imagem 8, imagem 9

Inspirados pelo Autismo

2 ideias sobre “Inspirados pelo Autismo – parte 2

  1. Eliana

    Amei! O importante em cada autista, e a individualidade! Eles nos demonstram isto a todo o tempo. Nos mostram, que viver em sociedade sem deixar de sermos nos mesmos. Temos muito que aprender! E e so praticando que teremos as oportunidades de conhece Los. Parabens pela matéria que se torna material para cada um de nos. Um beijo! Muito obrigada!

  2. Silvia Miranda

    Não tive a experiência de convivência com um autista, mas quero me capacitar para entender o mundo dele e poder” estar autista com ele”. Afinal “estamos nesta vida ” e não ” somos” ainda bem.
    Que matéria incrível , estou amando conhecer um pouco mais. Isto me acrescenta como ser humano, bela reportagem, um material de grande valia e de uma sensibilidade enorme. Fica com Deus!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>