Palestra SGSC – Dra Geórgia – Parte 1

Dieta Sem Glúten e Sem Caseína no Autismo. Por Que Fazer ?

Palestrante:
Dra Geórgia Regina Macedo de Meneses Fonseca
*Pediatra, Homeopata, Especialista em Saúde Mental
*Pesquisadora em Autismo da Federação Brasileira de Homeopatia
*Membro do Programa Estadual de Homeopatia da Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro
*Ganhadora do Primeiro Prêmio Orgulho Autista 2005 em pesquisa alternativa
*Mãe de Juliana, 9 anos, com autismo

O que fazer?

Dra. Geógia começou sua palestra explicando que vários pais chegam em seu consultório, desesperados e sem saber o que fazer, com seus filhos agitadíssimo, como mostra a figura acima. Nos identificamos muito com a figura e caímos na risada. Lu era assim antes da dieta.

Então ela continuou sua explicação citando os vários mitos sobre Dieta x Autismo: dieta só serve para emagrecimento; intestino não tem na a ver com o cérebro; autismo é uma doença genética, é uma doença psiquiátrica ou de origem psicológica; pais desesperados aceitam fazer qualquer coisa pelos filhos; todos os autistas melhoram espontaneamente, médicos que aceitam essas intervenções praticam pseudociência (a dieta não foi cientificamente comprovada).

A partir daí iniciou a explicação do porque se fazer a Dieta SGSC Para isso, faremos uma viagem no corpo humano e explicaremos aqui, a partir das informações de Dra Geórgia, a ótica que a biomedicina nos dá a respeito dos terríveis vilões: Sr. Glúten e Sra. Caseína!

Antigamente via-se o autismo como um tripé: social, interesse e comunicação.

Social: Significa a dificuldade em relacionar-se com os outros, (a incapacidade de compartilhar sentimentos, gostos e emoções e a dificuldade na discriminação entre diferentes pessoas).

Comunicação: Dificuldade em utilizar com sentido todos os aspectos da comunicação verbal e não verbal (gestos, expressões faciais, linguagem corporal, ritmo e modulação na linguagem verbal.)

Interesse: Se caracteriza por rigidez e inflexibilidade e se estende às várias áreas do pensamento, linguagem e comportamento da pessoa. Isto pode ser exemplificado por comportamentos obsessivos e ritualísticos, compreensão literal da linguagem, falta de aceitação das mudanças e dificuldades em processos criativos.

Hoje o conceito de autismo está amplo e ele é dividido em 4 pontos: social, interesse, comunicação e SISTEMA ORGÂNICO.

O Autismo e seus 4 lados

Para entenderem o que o Sistema Orgânico abrange, apresentamos abaixo sintomas que maioria dos autistas possuem:

*CONSTIPAÇÃO
*DIARRÉIA
*DOR ABDOMINAL
*GASES
*REFLUXO
*FADIGA
*ANSIEDADE
*SONO ALTERADO
*HIPERATIVIDADE
*INSENSIBILIDADE DOLOROSA
*PROCESSAMENTO SENSORIAL

Esse sintomas vêm sendo estudado e muitas descobertas têm sido apresentadas como as que mostramos a seguir.

Nos anos 80 alguns pesquisadores começaram a notar que o comportamento de vários animais submetidos à influência de drogas opióides como morfina e heroína eram similares aos comportamentos de alguns autistas. Dr. Jaak Panksepp propôs que autistas poderiam ter, naturalmente, elevados níveis de componentes de drogas opióides no seu sistema nervoso. Logo depois o Dr. Christopher Gillberg encontrou provas da existência de elevados níveis de substâncias parecidas com endorfinas no fluído cerebrospinal de alguns autistas. Estes níveis são mais elevados em autistas que são mais insensíveis à dor e que demonstram um comportamento mais agressivo.

Já ouviram falar em endorfina?

sinapseA endorfina é um neurotransmissor, assim como a noradrenalina, a acetilcolina e a dopamina. É uma substância química utilizada pelos neurônios na comunicação do sistema nervoso e também um hormônio, uma substância química que, transportada pelo sangue, faz comunicação com outras células. Sua denominação se origina das palavras “endo” (interno) e “morfina” (analgésico).

As endorfinas foram descobertas em 1975. Foram encontradas 20 tipos diferentes de endorfinas no sistema nervoso, sendo a beta-endorfina a mais eficiente pois é a qual dá o efeito mais eufórico ao cérebro. Ela é composta por 31 aminoácidos. A endorfina é produzida em resposta à atividade física, visando relaxar e dar prazer, despertando uma sensação de euforia e bem-estar.

Já se sabe que certos alimentos parecem afetar o desenvolvimento de algumas crianças e causar comportamentos autistas. Muitos pais perceberam a conexão entre autismo e a ingestão de certos tipos de alimentos comprovando que eles não digerem apropriadamente algumas proteínas. Várias pesquisas mostram que o autista tem um distúrbio imunológico que pode gerar problemas para digerir proteínas como caseína, glúten e alimentos fenólicos além de outros alimentos.

endorfinasOs pesquisadores acreditam que o nível dos componentes achados na origem central do sistema nervoso possam ser os resultados de uma incompleta digestão de alguns alimentos. A proteína, que é formada de uma longa cadeia de aminoácidos, normalmente é digerida pela enzima intestinal que quebra o vínculo que conecta o aminoácido. Enzimas são proteínas que também possuem uma longa cadeia de aminoácidos que se modificam em formas tridimensionais específicas, cada 01 com 01 atividade em que se encaixa a proteína que está alimentando.

Se a enzima é alterada, isto alterará a sua função e a proteína não processará o alimento como deveria.

Quando isso acontece há uma digestão incompleta deixando aminoácidos que deveriam ser vinculados em cadeias chamadas peptídeos. Duas proteínas que se quebram em peptídeos e que produzem atividades opióides são: caseína - que é a proteína encontrada no leite animal (proteína que produz um peptídeo chamado casomorfina).

glúten – que é a proteína encontrada no trigo, aveia, centeio e seus derivados. (proteína que produz um peptídeo chamado gliadinomorfina). Existência de 15 sequências opióides em uma única proteína de glúten.

Se as enzimas que deveriam digerir o trigo e o leite não estão atuando apropriadamente, isto pode gerar um funcionamento propício para a formação de opióides. Normalmente, quando isso acontece esses peptídeos são jogados na urina. Mas, se algum escapa e entra no sistema sangüíneo, eles podem atingir o cérebro causando sérios problemas neurológicos..

Isso nos leva ao “Leaking Gut” conhecido como Intestino Poroso que faz com que o trato digestivo de vários autistas não absorva todos os nutrientes ou que os processem de maneiras diferentes.
O intestino imperfeito deixa moléculas que deveriam ser contidas, serem descarregadas na corrente sangüínea. Esta pode ser a maneira que peptídeos impróprios passem para o sistema sangüíneo e atinjam o cérebro.

Entenda o sistema de recompensa dos opióides:
No sistema de regulação opióide das relações sociais, os opióides centrais são liberados durante certos tipos de interação social. Essa liberação resulta na sensação de conforto e alívio do sofrimento causado pelo isolamento social prévio.

Drogas e prazerDependência opióide:
*No seu próprio mundo
*Dificuldades no contato social
*Reações emocionais inapropriadas
*Comportamento estereotipado
*Preocupações bizarras
*Insensibilidade à dor
*Problemas gastrointestinais

As dependências têm grande relação com o prazer. Todas as substâncias psicoativas que levam à dependência têm efeito no sistema de recompensa.

Nó próximo post explicaremos detalhadamente sobre a dieta e seus efeitos. Não percam!!!

3 ideias sobre “Palestra SGSC – Dra Geórgia – Parte 1

  1. Dra Georgia Fonseca

    Obrigada pela divulgação de meu trabalho. É importante a conscientização dos pais das crianças com autismo de que a dieta livre de glúten e de caseína pode ser estremamante benéfica para todas elas.

  2. Tathy

    Adorei a explicação super didática de vcs. Showwww!!!!

    Não tem nem o que discutir sobre a interferência da dieta no dia a dia de todos nós. E porque que com um autista seria diferente?

    Bjsssssssssss

  3. Evania Calheiros de Oliveir

    Estou saltitante com as informações.Trabalho com autistas e já estamos notando a diferença no comportamento de nossas crianças depois que seus filhos começaram a dieta. Parabéns a Dra.Georgia Fonseca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>